Pesquisa de Conjuntura Econômica do Setor de Alimentação Fora do Lar


O ajuste no mercado promovido pela mais intensa crise vivenciada pelo setor vai deixando cada vez mais distantes aqueles que encontraram uma nova e favorável equação de preços x custos daqueles que continuam com custos maiores do que suas receitas.
Ao contrário do que supúnhamos, o contingente de empresas que estão operando com prejuízo continuou aumentando e atingiu seu ápice (39%) no terceiro trimestre de 2016.
A boa notícia é que um conjunto maior de empresas - 28% contra 25% na edição passada desta pesquisa – está conseguindo melhorar sua rentabilidade.
O otimismo crescente apontado na edição anterior arrefeceu, mas ainda é majoritário.
Quando questionadas, ao fim do terceiro trimestre deste ano, a maioria absoluta das empresas (57%) acreditava que o segundo semestre de 2016 seria melhor do que o primeiro.
No entanto, mesmo ainda apostando num segundo semestre melhor, o grupo de empresas que participou da pesquisa enxerga com clareza que a intensidade desta melhora será muito menor do que a estimada anteriormente – o que motiva uma revisão na previsão feita pela Abrasel de que o ano fecharia com crescimento real nulo.
A expectativa de que os ganhos do segundo semestre compensariam as perdas do primeiro se mostrou otimista e, assim, o novo prognóstico da Abrasel é de que o setor deverá encerrar 2016 com um crescimento nominal de 3,47%, o que representará perdas reais da ordem de 3,75%.